“Ricardo Gordo “(…) é o feliz interlocutor de um diálogo ímpar (até há pouco improvável, senão inefável): o da guitarra eléctrica e da guitarra portuguesa. Em suma: mais um habitante desse inferno a quem muitos chamam arte. Mas arte maior. É para isso que estão fadados os cultores do belo”.

in jornal “Público”, António Jacinto Pascoal