“Ricardo Gordo é o feliz interlocutor de um diálogo ímpar (até há pouco improvável, senão inefável): o da guitarra eléctrica e da guitarra portuguesa. Em suma: mais um habitante desse inferno a quem muitos chamam arte. Mas arte maior. É para isso que estão fadados os cultores do belo”.

in jornal “Público”, António Jacinto Pascoal

“Muitas das páginas da grande viagem da guitarra portuguesa estão neste disco. Por isso é um disco de viagem. Uma viagem que tem porto de partida, não de uma praia atlântica, mas do mar dos montes do Alentejo do seu autor”.
Edgar Canelas, Jornalista da Antena 1